Escolha uma Página

Pre-Ella Encontro Global
de Mulheres Indígenas

Cura
da
Terra

No dia 5 de setembro de 2020, mais de 267 mulheres indígenas, de 116 povos, em 37 países diferentes se reuniram em um grande círculo de conversas. Compartilhamos reflexões, críticas, dores, sonhos e ações. Em tempos de pandemia e emergência climática, ecocídio e genocídio, escolhemos a esperança.

Nos links abaixo você poderá escutar o encontro em espanhol, inglês e português, conectar-se com histórias de mulheres indígenas que curam a terra, ter acesso à futuros encontros e também participar da nossa campanha enviando sua resposta à pergunta: como curar o território, corpo e espírito?

Traducción / Tradução / Translation: Maria Angelica Ramirez | MARB Language Services Spanish | English-Spanish | marangrb@gmail.com // Patricia Beatriz Puechagut | Spanish-Portuguese-English | puechagut.patricia@gmail.com // Ana Perez Ibave | English-Spanish | laurrana@gmail.com //

Encuentro en
Español

Encontro em
Português

Gathering in
English

Queremos agradecer imensamente a todas que responderam a este chamado. O encontro foi acompanhado por mais de 11.000 pessoas conectadas em vários canais e em vários idiomas. Sabemos que ainda há muito que ouvir e dizer. É por isso que convidamos vocês, companheiras, a compartilhar conosco sua experiência de coração, e também a responder às seguintes perguntas que são sementes para o futuro.

Manifesto

Manifesto

A Mãe Terra está doente, nossos povos também. Estes são tempos de pandemia e emergência climática, ecocídio e genocídio. Hoje vivemos as consequências de um modelo econômico, social e espiritual que infectou nossos territórios e corpos. Um vírus que coloca o dinheiro acima da vida.

Em meio ao extermínio, as mulheres indígenas fazem da luta melodia, recuperamos a terra roubada, fazemos questão de celebrar a nossa existência, semeamos esperança, porque sabemos que somos a cura.

As mulheres indígenas insistem na importância de curar nossos corpos e territórios individual e coletivamente. Somos nós que semeamos o milho e semeamos a revolução, que levantamos a nossa voz na nossa língua e defendemos as florestas, lagos, montanhas, planícies, desertos e mares. Somos nós que decidimos sobre o nosso corpo e reproduzimos a vida. Somos nós que contamos histórias diante do incêndio e transformamos narrativas. Somos nós que defendemos a comunidade e habitamos as cidades porque a nossa existência é resistência. Somos nós que sonhamos e construímos um mundo onde nossas vidas importam.

Convidamos vocês a se unir aos nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações. Convocamos vocês para honrar a memória das nossas antepassadas e defender o futuro daqueles que ainda estão por nascer. É um chamado para curar o medo e sermos as parteiras do futuro.

Vamos construir juntas nosso planeta ELLA, onde apostamos pela conexão entre mulheres que assumem a tarefa de ressignificar o passado, se comprometer com o presente e com todas as revoluções pendentes para cultivar o futuro.

Convidamos vocês a nos encontrar, porque somos tão diversas quanto as gotas de um rio e juntas somos a cura da terra.

Por quê?

A Cura da Terra faz parte de uma série de encontros prévios ao ELLA – Encontro Internacional de Mulheres e Feminismos. Nosso encontro é organizado por e para mulheres indígenas.

Nomeamos ‘Cura da terra’ à companheiras dos biomas da Amazônia, Cerrado, Pantanal, Pampa, Caatinga e Mata Atlântica no Brasil. Ouvimos seu apelo em tempos de pandemia os incêndios provocados ​​pela ganância. Respondemos com esse círculo de conversas e honramos os pilares de ação e reflexão de sua luta:

 

TERRITÓRIO

Num contexto de expansão do capital, onde o extrativismo, as invasões de terras, o desmatamento forçado pela violência, os efeitos da emergência climática e as violências estruturais exterminam a rede da vida, como curamos o território?

CORPO

Quando nossos corpos, de nossas mães e avós, foram o que sobrou da guerra, quando a institucionalização e a expansão do racismo mostram sua face mais cruel e o patriarcado responde com violência à nossa cultura, como curamos o corpo?

ESPÍRITO

Quando a monocultura do progresso e desenvolvimento coloniza nossos desejos. Quando os fundamentalismos religiosos infestam nossas comunidades e tentam erradicar o conhecimento de nossas e nossos avós, como curamos o espírito?

Conecte-se

Conecte-se

Participe

Participe

Nossos sonhos e palavras transbordam, #CuraDaTerra é apenas o começo de um longo e profundo diálogo. Neste espaço, queremos ouvir a sua voz, a sua reflexão, os seus sentimentos, as suas formas de cura. Grave um vídeo de 5 a 10 minutos, cante, dance, escreva ou responda de forma criativa à provocação deste encontro: como curamos o território, o corpo e o espírito?

  1. Envie um email para participa@curadaterra.org com seu nome e povo indígena a que pertence
  2. Adicione uma fotografia sua em boa resolução (opcional)
  3. Anexe seu vídeo/foto/texto/áudio em boa resolução ou poste nas redes sociais com a hashtag #CuraDaTerra e @planetaella.

Com a nossa voz, as nossas cores e a nossa força, faremos uma rede, uma canção para o futuro.

Todas as mulheres indígenas podem participar e suas respostas serão publicadas como parte da sequência do encontro #CuraDaTerra. Envie um e-mail ou preencha o seguinte formulário:

Créditos fotografías:
Armando Escapa
Genilson Guajajara
Cacica Honta / CACRI Photos

Pin It on Pinterest

Share This